Banco aumentou para 70% o valor do financiamento para imóveis usados, juros também sofreram redução.

A Caixa reduziu os juros, ao mesmo tempo que aumentou o teto para que mais brasileiros possam conseguir financiar a casa própria.

Desse modo, o banco está financiando cerca de 70% de imóveis usados, o que corresponde a aproximadamente 1,25 ponto percentual no quesito de crédito imobiliário, que tem como principal fonte os recursos imobiliários da área do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo.

É isso mesmo, a Caixa Econômica Federal divulgou nesta segunda-feira, dia 16 do mês de abril, que a fim de facilitar o financiamento da casa própria para milhares de brasileiros, haverá uma mudança visando reduzir o valor dos juros e ainda um aumento do percentual do valor total que deve ser financiado em compras de imóveis usados.

Caso o leitor esteja interessado em realizar a compra de um imóvel já usado e não possui recursos financeiros para comprá-lo à vista, o financiamento da Caixa Econômica Federal pode ser um boa solução para se pensar. Dessa forma, não perca tempo, já que essas mudanças começaram a valer a partir do dia de hoje e são destinadas principalmente para fins de financiamento que tem como base os recursos de finanças do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo.

A decisão da Caixa Econômica Federal de realizar essas mudanças vem do fato de que, durante o ano de 2017, a instituição precisou reduzir em até duas vezes o teto orçamentário de financiamento. Além disso, deixou de ser o banco que ofertava as taxas mais baixas em comparação aos outros do mercado e, dessa forma, acabou perdendo o seu título de liderança em linhas gerais de créditos, principalmente, entre os meses de novembro do ano passado até o mês de janeiro de 2018.

Vale salientar ainda que a realização de vendas e compras é realizada por meio do SFH, ou seja, o Sistema Financeiro Habitacional. Para quem não sabe, os imóveis precisam estar cadastrados nesse sistema. Além disso, com exceção aos Estados do Distrito Federal, Minas Gerais e São Paulo, cujos imóveis precisam estar enquadrados no teto de R$ 950 mil, os imóveis de outras regiões do país precisam ter um valor de limite de no máximo R$ 800 mil. Desse modo, de acordo com uma avaliação realizada por economistas, houve uma redução na taxa mínima de juros.

O interessante é que a varição da redução nas taxas de juros dos últimos meses se manteve a mesma, tanto para os imóveis que se encaixavam no limite estipulado pelo teto orçamentário quanto para aqueles imóveis cujo valores eram superior ao máximo estipulado.

O percentual do valor a ser financiado dos imóveis usados subiu de 50% para 70%. Para unidades novas, foi mantido o percentual de 80% no teto do financiamento. Antes das mudanças feitas em agosto do ano passado, a Caixa financiava até 80% de imóveis usados.

Há aproximadamente 17 meses, as taxas de juros estavam congeladas. Desse modo, acredite se quiser, a última vez em que houve uma redução de juros ocorreu no mês de novembro do ano de 2017. A partir disso, foi quando a Caixa resolveu reduzir a cada ano para um ponto percentual de 0,25.

Enquanto isso, houve uma redução para o limite de financiamento de imóveis que já foram usados, isto é, passou por duas reduções em meses consecutivos. Cerca de 60% no mês de agosto e, logo depois, 50% no mês de setembro.

A Caixa também se comprometeu em retomar o programa de financiamento de imóveis que começaram a ser financiados por outros bancos. Dessa maneira, para esse tipo de financiamento foi liberado a possibilidade de financiar até 70% do valor do imóvel.

Ana Paula Oliveira Coimbra


O presidente da Caixa informou que, até o final deste mês de março, os juros do crédito habitacional serão reduzidos.

Uma pesquisa recentemente realizada revelou que a maioria dos cidadãos brasileiros possui o sonho de possuir uma casa própria. Grande parte dessas pessoas vive em casas ou apartamentos alugados e, principalmente, em tempos de crise como este que estamos vivendo na economia do país, em que milhares de pessoas se encontram em situação de desemprego, o pagamento do aluguel é um sacrifício necessário, mas sem dúvidas, um investimento sem retorno.

Há alguns anos atrás a Caixa Econômica Federal criou um programa que acabou por beneficiar milhões de brasileiros, que finalmente conseguiram adquirir o imóvel próprio.

O programa criado pelo governo federal batizado de “Minha Casa Minha Vida”, tornou acessível a compra de um imóvel para brasileiros que não possuíam o valor total para a compra do mesmo. Assim, quem atendesse aos requisitos impostos pela Caixa, poderia financiar o seu imóvel e, dessa forma, milhares de brasileiros hoje vivem em casas próprias e pagam mensalmente valores com juros abaixo do mercado e, dessa forma, trocaram o pagamento do aluguel pelo pagamento de parcelas de um imóvel próprio.

Porém, como dito anteriormente, estamos atravessando desde o ano de 2016 um período de crise na economia do país. Muitas pessoas perderam seus empregos, o que contribuiu para uma queda na renda familiar, o que foi refletido no número de compras de imóveis, que diminuiu de forma significativa, principalmente, pelo fato de os juros estarem um pouco altos.

Pensando em auxiliar essa parcela da população que ainda deseja adquirir a casa própria, mas se vê impossibilitada financeiramente, a Caixa Econômica Federal comunicou oficialmente que irá reduzir os juros comuns do crédito habitacional.

De acordo com Gilberto Occhi que é o atual presidente da Caixa, até o fim deste mês de março os juros já serão reduzidos. A notícia foi divulgada na última segunda-feira, dia 19 de março.

Segundo as palavras do presidente da instituição ainda não foi informado de quanto será essa redução. Porém, a expectativa é de que nos próximos dias a Caixa anuncie qual será a redução nas taxas de juros para os recursos que são captados do mercado e da poupança.

Durante a entrevista que o presidente concedeu na última segunda-feira sobre o tema, Occhi revelou que a Caixa pretende promover uma competitividade maior no mercado imobiliário. Ele ainda revelou que não houve nenhuma redução nos juros durante o ano e que a partir de agora essa redução já poderá ser oferecida, facilitando a vida de quem precisa.

Está prevista pela Caixa a divulgação do resultado do ano de 2017. O banco espera que até a próxima semana o resultado seja divulgado. O presidente fez questão de informar que de acordo com os números, o ano de 2017 foi, apesar da crise, o melhor da história, uma vez que muitos esforços foram feitos para que os juros fossem reduzidos e que a tendência é de que continue assim.

Outra importante informação dada pelo presidente foi a de que quem se encontra em dívida com a CSN, a Caixa Econômica está disposta a realizar uma renegociação da dívida em questão.

Poucas pessoas sabem, mas a Caixa é um dos maiores credores da siderúrgica instalada em Volta Redonda, estado do Rio de Janeiro, estando ao lado do Banco Brasil, também um importante credor. Assim, juntos os bancos são detentores de quase a metade do total e dívidas da CSN.

A Caixa Econômica Federal está disposta a analisar, discutir e assim oferecer as melhores saídas com a CSN.

Agora, aos interessados em taxas de juros habitacionais menores, aguardar até que os números da redução sejam revelados, o que está previsto para acontecer nos próximos dias. Quem sabe essa é a oportunidade que você esperava para adquirir seu imóvel?

Por Sirlene Montes

Ffinanciamento de imóveis


Mega Leilão terá mais de 500 imóveis com descontos de até 80%.

Está em busca da compra de um imóvel, porém os preços estão fora da sua realidade? Esse é apenas um dos motivos para ficar ligado no leilão que será realizado pela Caixa Econômica Federal.

Com data agendada para os dias 28 de março e 11 de abril, a instituição irá leiloar mais de 500 imóveis. E o melhor de tudo é que os preços estão avaliados em até 80% abaixo do valor de mercado.

Ficou interessado e quer saber mais? Então fique ligado que nós te damos todas as informações para não ficar de fora. Vamos a elas.

Onde acontecem os leilões?

Ambas as edições do leilão da Caixa Econômica Federal acontecem no mesmo local físico. Trata-se do hotel Panamby, localizado na cidade de São Paulo. Além disso, é possível acompanhar os lances pelo site da responsável e leiloeira oficial do evento, a Fidalgo Leilões. O endereço eletrônico é o http://www.fidalgoleiloes.com.br/.

Como funciona o leilão?

O leilão é dividido em duas etapas, por se tratar sempre de um acontecimento diferente, sendo cada momento destinado para um tipo específico. O primeiro, que ocorre dia 28 de março, é de alienação fiduciária dos inadimplentes do Sistema Financeiro Imobiliário, o SFI, sendo esse realizado em duas praças: no dia 28 de março acontece a primeira e no dia 11 de abril o leilão dos lotes que não foram arrematados na primeira fase.

O segundo leilão acontece em uma praça única e no dia 28 de março, já que esse é de licitação aberta.

Imóveis da Caixa Econômica Federal

Vale ressaltar que esse tipo de leilão se destina aos imóveis que são de propriedade da Caixa Econômica Federal. Sendo assim, os descontos são estabelecidos também pelo próprio banco, chegando a valores de até 80% do valor original e de avaliação do imóvel.

Esses imóveis possuem, em sua grande maioria, dívidas sobre o Imposto Predial e Territorial Urbano, o IPTU, sendo que alguns deles já foram utilizados como objeto de penhora em processos anteriores. Além disso, é importante lembrar que alguns lotes possuem as condições específicas de pagamento, podendo ainda estar ocupados.

Para não ser pego de surpresa, uma dica é ler atentamente ao edital do leilão. Assim, é possível estar por dentro de cada imóvel antes de fazer um lance específico.

Para acessar o edital basta clicar em http://www.fidalgoleiloes.com.br/new/leilao.php?idLeilao=1561 e conferir. Os números dos leilões são: o 1561, 1563 e, por fim, 1560.

Ofertas para o Estado de São Paulo

Os imóveis leiloados são destinados para o Estado de São Paulo, sem exceção, abrangendo tanto a Capital, o litoral e o interior. Sendo assim, é possível encontrar ofertas imperdíveis, com lances iniciais no valor de até R$ 59 mil. Na comparação com o valor de avaliação do imóvel, esse pode ser superior a R$ 130 mil.

Primeira edição do leilão da Caixa Econômica

Essa já é a segunda edição do leilão promovido pela Caixa Econômica Federal para o ano de 2018. O primeiro ocorreu no último mês, dia 3 de fevereiro, no Maksoud Plaza Hotel, em São Paulo.

Sob organização da Zukerman Leilões, foram leiloados um total de 373 imóveis entre apartamentos, casas, espaços comerciais e terrenos, tanto ocupados como desocupados e retomados pela instituição devido à falta de pagamento. Com descontos de até 74% em relação à avaliação de mercado, os valores variavam de R$ 55.200 a R$ 2,9 milhões.

Com preço baixo justificado para a compensação de gastos com futuras ações judiciais, já que a maioria dos imóveis ainda estava ocupada pelo antigo proprietário, aqueles que não foram leiloados nessa primeira fase, foram após oferecidos pelo banco pelo valor de dívida. Assim, o comprador precisou pagar o valor de despesas relacionadas à promoção dos leilões.

Kellen Kunz


Descubra aqui os bairros mais caros e baratos em São Paulo (SP).

Se você reside na cidade de São Paulo ou pretende se mudar para o local, com toda certeza em algum momento você já parou para pesquisar o preço de imóveis na cidade. Para se fixar o valor de uma casa ou de um apartamento são levados em considerações diferentes critérios como: o tamanho da residência, conservação do local e, sobretudo, em qual bairro a casa se encontra. Para o ano de 2018, foi realizada uma lista dos bairros mais baratos e também uma lista com os bairros mais caros de São Paulo. Saiba agora um pouco mais sobre esta pesquisa.

Antes de começar a lista de fato, é importante salientar dois pontos. Primeiramente, essa lista leva em consideração o valor do metro quadrado no bairro, essa é a base para o cálculo. E em segundo lugar, que foram analisados quase 20.000 imóveis por toda a capital paulista para se chegar a estes números. A pesquisa foi realizada pela iniciativa FipeZAP, que é uma empresa do setor imobiliário que acompanha ao longo de todo o ano, as variações nos preços médios de imóveis em diferentes localidades de todo o Brasil. Geralmente a pesquisa é feita no mês de janeiro e em junho, que são meses centrais. Pois, um dos critérios da lista é que há uma mudança maior das pessoas nestes períodos citados acima.

Bairros mais baratos em São Paulo em janeiro de 2018:

  • Cidade Tiradentes. Preço do m²: R$ 3.505,00 reais.
  • Artur Alvim. Preço do m²: R$ 3.858,00 reais.
  • Itaim Paulista. Preço do m²: R$ 3.876,00 reais.
  • Itaquera. Preço do m²: R$ 4.305,00 reais.
  • São Miguel Paulista. Preço do m²: R$ 4.308,00 reais.
  • Bairros mais caros em São Paulo em janeiro de 2018:
  • Jardins. Preço do m²: R$ 12.100,00 reais.
  • Vila Olímpia. Preço do m²: R$ 13.337,00 reais.
  • Itaim Bibi. Preço do m²: R$ 13.518,00 reais.
  • Vila Nova Conceição. Preço do m²: R$ 17.314,00 reais.
  • Cidade Jardim. Preço do m²: R$ 19.783,00 reais.

Para se entender ainda mais a lista acima é importante compará-la a última pesquisa feita pelo FipZAP. Pois, se consegue tirar algumas conclusões que vão ser apontadas e discutidas abaixo. O estudo foi feito e publicado no mês de julho de 2017:

Bairros mais baratos em São Paulo em junho de 2017:

  • Itaquera. Preço do m²: R$ 4.419 reais;
  • Cidade Líder. Preço do m²: R$ 4.513 reais;
  • Campo Limpo. Preço do m²: R$ 4.718 reais;
  • Cangaíba. Preço do m²: R$ 4.733 reais;
  • Jaraguá. Preço do m²: R$ 4.997 reais.

Bairros mais caros em São Paulo em junho de 2017:

  • Vila Madalena. Preço do m²: R$ 10.744 reais;
  • Pinheiros. Preço do m²: R$ 11.304 reais;
  • Vila Olímpia. Preço do m²: R$ 11.557 reais;
  • Itaim. Preço do m²: R$ 12.532 reais;
  • Vila Nova Conceição. Preço do m²: R$ 16.124 reais.

Análise sobre os bairros mais baratos:

Em pouco mais de seis meses houve uma grande diferença nas duas listas e este fato se deve a vários motivos. Alguns bairros passaram por obras outros não. Uns ficaram mais seguros os outros nem tanto. Apenas o bairro de Itaquera permaneceu e mesmo assim ele caiu do primeiro lugar em 2017 para a quarta posição em 2018.

Uma das explicações para a permanência do bairro na lista é que Itaquera cresceu muito em um curto período de tempo. O local ganhou projeção nacional, pois, um grande estádio de futebol foi construído ali. Muitas pessoas passaram a morar no local. Visto que, quando se tem uma obra da grandeza da Arena Corinthians, o bairro ganha em infraestrutura, segurança, pontos comerciais e outros aspectos. Assim, obviamente, o metro quadrado passa a ser mais caro.

Análise sobre os bairros mais caros:

Já a lista com os bairros mais caros não houve uma mudança brusca, pois todos esses bairros já são considerados redutos com um preço alto há muitos anos. Neles, estão localizados lojas de grife; as melhores escolas e faculdades particulares da capital paulista. Pessoas ricas possuem imóveis há muitos anos nesses bairros e eles são conhecidos justamente por ser um local que concentra riqueza. Pois sempre contaram com uma boa infraestrutura, segurança e outras comodidades.

Para conhecer mais dessas listas acesse: http://fipezap.zapimoveis.com.br/.

Isabela Castro.


O pagamento poderá ser feito em uma única cota com desconto ou em parcelas que deverão também ser estabelecidas pela prefeitura através de seus órgãos de arrecadação como a secretaria de Finanças da cidade.

Para quem já está se preparando para as famosas despesas do começo do ano, é bom não esquecer do famoso Imposto Predial e Territorial Urbano, o IPTU, principalmente, para contribuintes que moram na cidade de Goiânia, em Goiás.

Desde a grande polêmica criada desde agosto de 2017, na qual a Prefeitura da cidade sinalizou com a possibilidade de que os valores para o ano de 2018 deveriam ser reajustados, as discussões se alastraram em vários cantos da capital e culminou com uma grande audiência na Câmara dos Vereadores pública que mobilizou vários segmentos da sociedade local.

Toda a polêmica começou quando os responsáveis pelo setor de Finanças da Prefeitura foi convocado pelo representante do Executivo para que fosse feito um amplo estudo sobre os valores cobrados pelo órgão sobre os imóveis localizados na capital.

Apesar da convocação feita pelo gabinete do Prefeito, o atual secretário de finanças, Alessandro Melo garante que nenhuma reunião foi realizada para tratar de tal assunto.

O representante da secretaria declarou que não haverá um aumento dos valores como foi anunciado previamente diante do pedido do prefeito.

Todos os valores que serão cobrados a partir de 2018 deverão ser calculados tomando-se por base os valores venais dos imóveis que foram atualizados pela última vez em 2015.

Ainda segundo Melo, uma atualização deverá começar a ser feita a partir de 2018, visto que, o objetivo é que a correção dos valores deverá ser efetuada ao longo do ano que vem. Ele destacou que o trabalho tem que ser executado com bastante cautela, pois os imóveis deverão ser avaliados de forma correta para que os valores possam ser cobrados de forma correta.

Ainda na defesa de uma avaliação bem mais cuidadosa, o secretário afirmou na ocasião que iria se reunir com os vereadores para tentar esclarecer sobre os reais fatos a respeito dos números bastante elevados conforme divulgado pelos meios de comunicação local.

O IPTU é um imposto cobrado a cada ano pela prefeitura de cada cidade e tem como objetivo arrecadar recursos necessários para que sejam aplicados em diversas áreas como saúde, educação, infraestrutura e segurança.

Por ter um caráter público de aplicação, este tipo de tributo é de natureza obrigatória e é cobrado de proprietários de imóveis como residências, terrenos e propriedades comerciais.

O pagamento poderá ser feito em uma única cota com desconto ou em parcelas que deverão também ser estabelecidas pela prefeitura através de seus órgãos de arrecadação como a secretaria de Finanças da cidade.

Como acontece todo o ano, todos os moradores de cada cidade deverão receber um carnê da prefeitura com os valores a serem pagos. Como informado acima, ele terá a opção de pagar o valor integral ou optar pelas parcelas que deverão constar no mesmo.

Caso não receba o seu carnê em casa, o contribuinte poderá acessar a página da prefeitura de sua cidade na internet e emitir o boleto com os valores para pagamento (segunda via).

Para isto, basta clicar na opção IPTU ou ITU e ao ser direcionado para uma nova página, informar inicialmente o número de inscrição do imóvel, seguido do ano do tributo, optar pelo parcelamento ou não, a data a ser pago e o código de segurança a ser gerado pela própria página.

No caso de pagamento integral, o contribuinte terá um desconto de 10% e o mesmo deverá ser realizado até o final de fevereiro de 2018. Caso opte pelas parcelas, elas poderão ser disponibilizadas em até 10 vezes e não terá direito ao desconto.

Neste ano, a expectativa é que a arrecadação no estado seja suficiente para que as prefeituras possam ter à disposição recursos suficientes para a realização de projetos que possam beneficiar toda a população dos municípios que compõem o estado.

Por Emmanoel Gomes


A cobrança deste imposto, bem como o valor, é definido por cada município de forma distinta, levando em consideração os imóveis e também os bairros em que estes estão localizados.

A população já se prepara para a maratona de tributos a se pagar no início de cada ano. 2018 não é diferente, e com a recessão que atinge o país, muitos já precisam se preparar para o aumento do valor destes impostos. E um destes é o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) que deve receber um pequeno reajuste que é autorizado e cumprido pelas cidades.

Os cidadãos do estado de Mato Grosso do Sul esperam um aumento nos valores do IPTU, porém, algumas cidades devem conceder um aumento mais brando, abaixo até da inflação. É o caso de Campo Grande, que não deve repassar aos contribuintes um aumento acima dos índices da inflação. A projeção de aumento, de acordo com números da Prefeitura, deve ficar em 3%, baseando-se de acordo com o IPCA com tabela especial. As guias para pagamento devem ser entregue nas residências dos contribuintes, mas também pode ser obtida através do site da Prefeitura ou se deslocando até o setor responsável pelo recolhimento do tributo.

A Prefeitura também não modificou a forma de pagamento, ou seja, o contribuinte pode realizar o pagamento do tributo nos locais de costume, como bancos e casas lotéricas, da mesma forma dos anos anteriores, conquistando um desconto de até 20 por cento com pagamento à vista e em cota única.

O IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) é um dos diversos tributos que os cidadãos devem realizar o pagamento. É cobrado tanto de pessoas jurídicas quanto de pessoas físicas, que sejam proprietários de prédios, apartamentos, terrenos ou residências. Ele é recolhido anualmente pela Prefeitura, cujos recursos ingressam nos cofres públicos para obras e outras melhorias.

O valor do imposto é baseado no valor venal do imóvel, sendo que esta base não pode ser aumentada nem alterada pelo município, apenas sendo permitida sua atualização através do valor da inflação no período.

A cobrança deste imposto, bem como o valor, é definido por cada município de forma distinta, levando em consideração os imóveis e também os bairros em que estes estão localizados. As residências precisam ter abastecimento de água, sistema de esgoto, rede de iluminação com ou sem poste e também serviços públicos como escolas e unidades de saúde. A inserção deste tributo está incluída na constituição de 1988 e serve para os municípios realizarem melhorias, com o ingresso destes montantes nos cofres municipais.

Em setembro de 2017, foi aprovada pelos vereadores de Campo Grande, a negociação dos contribuintes que estavam em débito devido ao atraso no pagamento do IPTU com a Prefeitura. Na ocasião, a Prefeitura ofereceu desconto de 90 por cento em juros e 75 por cento nas multas para aqueles inadimplentes e que não conseguiram efetuar o pagamento do imposto.

Só no mês de Janeiro deste ano, a Prefeitura de Campo Grande arrecadou, com o ingresso do IPTU, 180 milhões de reais, um aumento bastante considerável, de acordo com dados da Prefeitura naquela ocasião. O montante ajudou a Prefeitura a quitar débitos atrasados com os funcionários públicos, devido à crise que está prejudicando as prefeituras. Nestas dívidas, se incluem os salários, 13º e também o montante com a Santa Casa que é auxiliada pela Prefeitura de Campo Grande.

Em Campo Grande, ainda em 2017, a Prefeitura também realizou o sorteio de prêmios a quem realizasse o pagamento, como automóveis, aparelhos de ar-condicionado, notebooks, televisores e micro-ondas, abrangendo tanto as pessoas físicas, quanto as jurídicas que realizam o pagamento do imposto corretamente e tenha preenchido o cupom naquela ocasião, o que estimulou o cidadão a pagar o tributo, já que na oportunidade, o pagamento parcelado também recebeu desconto do valor devido.

Por Leandrinho de Souza


O pagamento do IPTU de cidades pernambucanas é aceito em lotéricas e bancos, por exemplo, e podem ser realizados, tanto em cota única quanto de forma parcelada.

Os Pernambucanos já se preparam para a maratona de tributos a se pagar no início de cada ano. 2018 não é diferente, e com a recessão que atinge o país, muitos já precisam se preparar para o aumento do valor destes impostos. E um destes é o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) que deve receber um pequeno reajuste pelos números da inflação acumulada no período.

Na capital Recife, por exemplo, a Prefeitura decidiu auxiliar o contribuinte, utilizando uma medida da Lei número 17.408 de 2008, concedendo um desconto de 50 por cento sobre o valor do imposto. O benefício encerrou no último dia 30 de novembro, e era dedicado exclusivamente para aqueles que informaram o CPF (cadastro de pessoa física) ao solicitar uma Nota Fiscal de Serviços e não registrar débitos com a Prefeitura. Cada um destes contribuintes poderia indicar um imóvel para receber o benefício.

Ainda em Novembro, a Prefeitura de Recife, informou que o reajuste sobre o valor do IPTU é de 2,7 por cento para o ano de 2018, corrigindo valores de acordo com a IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) dos 12 últimos meses, ficando abaixo da inflação, aliviando um pouco o bolso dos contribuintes.

Já nas cidades Pernambucanas de Olinda e Jaboatão, o reajuste também segue os números de Recife: 2,7 por cento, de acordo com o índice do IPCA. O valor será cobrado de quem possui residência, apartamento ou prédio comercial. Além das pessoas físicas, as pessoas jurídicas também devem pagar a mesma alíquota de aumento, sendo estes valores diferentes para quem é pessoa física ou pessoa jurídica.

A cidade de Jaboatão também deve conceder um bom desconto aos munícipes que estão em dia com a Prefeitura. De acordo com as informações divulgadas, os contribuintes podem obter até 30 por cento de desconto, se estiverem em dia com o poder público.

Os carnês para pagamento podem ser obtidos nas Prefeituras Municipais e a segunda via também pode ser retirada através do setor que cuida do recolhimento do imposto. O pagamento é aceito em lotéricas e bancos, por exemplo, e podem ser realizados, tanto em cota única, quanto de forma parcelada.

O IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) é um dos diversos tributos que os cidadãos devem realizar o pagamento. É cobrado tanto de pessoas jurídicas quanto de pessoas físicas, que sejam proprietários de prédios, apartamentos, terrenos ou residências. Ele é recolhido anualmente pela Prefeitura, cujos recursos ingressam nos cofres públicos para obras e outras melhorias.

O valor do imposto é baseado no valor venal do imóvel, sendo que esta base não pode ser aumentada nem alterada pelo município, apenas sendo permitida sua atualização através do valor da inflação no período.

A cobrança deste imposto, bem como o valor, é definido por cada município de forma distinta, levando em consideração os imóveis e também os bairros em que estes estão localizados. As residências precisam ter abastecimento de água, sistema de esgoto, rede de iluminação com ou sem poste e também serviços públicos como escolas e unidades de saúde. A inserção deste tributo está incluída na constituição de 1988 e serve para os municípios realizarem melhorias, com o ingresso destes montantes nos cofres municipais.

Em 2017, Recife estimava um aumento de 48 milhões de reais através do pagamento do IPTU aos cofres públicos. O montante foi calculado com base em algumas mudanças na lei, como uma revisão nos valores que cada contribuinte paga anualmente, com destaque para a valorização nos bairros. Para o ano de 2018, Recife não divulgou qual a projeção de arrecadação, que deve ser levantada após o calculo e a emissão das guias para o pagamento.

Por Leandrinho de Souza


As taxas anuais de IPTU são obrigatórias, incidindo na vida de todos os proprietários de diversos tipos de imóveis que estão situados dentro do perímetro urbano da Capital Federal, Brasília.

O Imposto Predial e Territorial Urbano, IPTU, é uma norma de imposto presente na Constituição Federal, regulamentada em seu artigo 156, inciso I, da Carta Magna, sancionada no dia cinco de outubro do ano de 1988. Este imposto recai sobre os serviços públicos de esgoto e água encanada, iluminação pública e domiciliar, entre outras condições.

Para todas as pessoas que são proprietárias de algum tipo de imóvel, seja residencial, comercial ou mesmo um terreno que esteja situado em alguma zona urbana no Distrito Federal, é muito importante que as mesmas estejam atualizadas e atentas ao devido pagamento do IPTU de Brasília 2018. Existe um procedimento para a realização de emissão da 2ª via por meio do carnê de pagamento do IPTU de Brasília 2018, via online, na internet.

As taxas anuais de IPTU são obrigatórias, incidindo na vida de todos os proprietários de diversos tipos de imóveis que estão situados dentro do perímetro urbano da Capital Federal, Brasília. O valor em dinheiro arrecadado com esse tipo de imposto se destina a obras públicas que promovem melhorias e benefícios voltados para a população, tais como iluminação das vias públicas, investimento no setor de saúde, no setor de segurança, em mais transportes urbanos e no investimento em melhorias na educação.

Portanto, para qualquer cidadão que esteja obrigado a realizar o pagamento desse imposto será muito importante ter plena consciência de que a sua contribuição, estabelecida como um dever, será revertida na manutenção geral de diversos setores e departamentos públicos de função imprescindível, ou seja, na manutenção do município, como também, o mesmo cidadão estará em regularidade nas suas dívidas com a justiça.

Entretanto, a cada ano são feitos reajustes dentro do valor estipulado de IPTU. Esse cálculo que se atualiza todo ano está fundamentado em dois importantes fatores: o primeiro é o valor de venda do tipo de imóvel, o segundo são as alíquotas ministradas em cada ano vigente. Assim, os dois valores citados passam a ser multiplicados e o resultado final obtido constitui um preço fixo, cobrado como imposto sobre os contribuintes.

Existem três modos de porcentagem de cálculo que formam os valores do IPTU, conforme segue na relação abaixo:

São 0,3% de cobrança exclusiva sobre determinados tipos de residência, tais como apartamentos, cuja função seja única e exclusivamente moradia, e sobre as casas também;

São 1% de taxa cobrada exclusivamente sobre determinados tipos de terrenos que estejam em situação de posse de alvará para construção;

São 3% de taxas cobradas exclusivamente sobre outros tipos de terrenos cuja situação atual seja a de possuírem áreas vazias, inutilizadas, terrenos baldios cercados ou propriedades preenchidas de bens já demolidos, não ocupados.

Portanto, os donos de imóveis ou terrenos terão chance de realizar o pagamento deste imposto por meio de dois modos, ou efetuar o pagamento integral, à vista, ou pedir o devido parcelamento, conforme for melhor para o mesmo. Em caso de o cidadão decidir pagar o imposto de modo parcelado, o valor integral poderá ser dividido em até 10 vezes, sem cobrança de juros.

Assim, o usuário poderá pagar o IPTU por meio do internet banking. Vale a dica de que se consultem gerentes de bancos, para obter informações sobre outros estabelecimentos onde é possível realizar o pagamento, sejam casas lotéricas ou bancos. Entretanto, o calendário para o próximo ano de pagamento de IPTU ainda não foi divulgado, por conseguinte, cabe aos usuários acessar constantemente a página eletrônica: https://imposto.pro.br/iptu-brasilia-2018. Deste modo, poderão ter acesso aos links do site oficial da Secretaria de Estado de Fazenda e obter, constantemente, informações.

Por Paulo Henrique dos Santos


Confira informações referentes ao IPTU do Rio de Janeiro do ano de 2018.

O IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) é um imposto coletado no Brasil de habitantes que possuem bens imobiliários em zona urbana, seja apartamento, casa ou imóvel comercial.

No Rio de Janeiro, assim como em outras cidades brasileiras, esse imposto é um dos principais meios de recolhimento de recursos. O dinheiro obtido é usado pela prefeitura na manutenção da segurança, educação e saúde da cidade.

IPTU RJ 2018

A Prefeitura do Rio de Janeiro publicou em setembro, no Diário Oficial, algumas mudanças nas regras do IPTU para 2018. O município propôs que o valor venal mínimo para o pagamento mudasse de R$ 40 mil para R$ 55 mil, e que o IBTI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) aumentasse de 2% para 3%. A tabela de valores do Rio de Janeiro não havia sido modificada desde 1997.

No Diário Oficial do Rio encontram-se tabelas com especificações sobre tipo e idade dos imóveis que sofreram alterações no valor do imposto. Também estão disponibilizados bairros e valores genéricos de cada endereço. Essas mudanças serão validadas em 2018.

Para quem aluga imóveis, é importante lembrar que o pagamento do IPTU é responsabilidade do locador, não do inquilino, ou seja, o dono do imóvel é quem deve arcar com os custos do imposto.

Valores

O valor venal do imóvel equivale aos custos necessários para sua construção somados ao valor do terreno. O cálculo do IPTU é realizado através do valor venal do imóvel multiplicado por uma porcentagem definida pelo município. De acordo com a Prefeitura do Rio, mais de 1,1 milhão de habitantes não contribuem com o imposto por terem o valor venal no imóvel avaliado em até R$ 40 mil ou menos. Alguns imóveis localizados em áreas nobres da cidade também estão livres do imposto.

Para consultar o IPTU 2018 o cidadão deve acessar o site da prefeitura do Rio e escolher entre Planilha Residencial, Não Residencial, Territorial e Planta Genérica de Valores. É necessário ter em mãos o carnê do imposto de 2017.

Isenção

Estão livres do imposto imóveis cujo valor venal esteja abaixo de R$ 55 mil, ou construções tidas como patrimônio histórico pelo estado ou pelo município.

Segunda Via

Os cidadãos que desejarem obter a segunda via do IPTU devem escolher entre “2ª via do carnê” e “2ª via de guias extraordinárias” no link www2.rio.rj.gov.br/smf/iptu2v. Após acessar a opção desejada, basta digitar o número da inscrição do imóvel, selecionar o ano e escolher a impressão de cota única ou parcelada.

Calendário

No começo desse ano as inscrições de imóveis terminadas de 0 a 5 pagaram o valor à vista, com o desconto até o dia 10 de fevereiro. Essa também foi a data para pagar a primeira das dez cotas. Já as inscrições terminadas de 6 a 9 puderam pagar o valor à vista ou a primeira cota no dia 13 de fevereiro. As datas do IPTU RJ 2018 serão disponibilizadas no começo de 2018.

Descontos

A Prefeitura do Rio definiu descontos do IPTU 2018 para imóveis residenciais de modo progressivo, ou seja, quem tiver de pagar até R$ 800 terá desconto de 60%. Quando o valor for até R$ 1.200, o desconto será de 40%. Para aqueles com IPTU de até R$ 1.600, será descontado 20%, e quando o imposto for até 3.000, o desconto será de 10%.

No caso de imóveis comerciais cujo imposto seja até R$ 5 mil, serão descontados R$ 600. E os terrenos com IPTU de até R$ 3 mil, terão R$ 1 mil de desconto.

Os valores com desconto são disponibilizados apenas para pagamentos à vista.

Pagamento

O pagamento do IPTU 2018 pode ser realizado por meio de cota única com desconto, ou pagamento em até 10 vezes, sem desconto. Os contribuintes também podem optar por pagamento direto na conta corrente, basta entrar em contato com o banco.

Em 2018 os donos dos imóveis pagarão somente metade do aumento. Apenas no ano seguinte, em 2019 os valores totais serão computados e o valor total atualizado deverá ser pago.

Por Fabio Santos


Para 2018 acredita-se que as alíquotas do IPTU do Mato Grosso serão as mesmas dos anos anteriores, sendo 2% para terrenos e 0,4% para imóveis.

No mês de dezembro, a maioria das pessoas fica focada nas festas de natal e ano novo, esquecendo que logo no começo do ano tem o IPTU. No Mato Grosso, o contribuinte poderá conseguir bons descontos, mas desde que pague no dia determinado, de acordo com o calendário divulgado. Aqueles que não receberem o IPTU em suas residências devem providenciar a 2ª via o quanto antes, do contrário, acabarão pagando multas.

O IPTU – Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana, de Cuiabá e várias outras cidades do Mato Grosso, já está sendo preparado pelas prefeituras e os cidadãos precisam ficar atentos.

Para 2018 acredita-se que as alíquotas serão as mesmas dos anos anteriores, sendo 2% para terrenos e 0,4% para imóveis. Vale lembrar que esta porcentagem é sobre o valor venal do imóvel, sendo atualizado pelo IPCA, que é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor. Para aqueles que moram em Cuiabá, são duas as formas de pagamento, oferecidas pela prefeitura municipal, sendo uma à vista, que é a cota única, que tem um desconto de 10% e a outra opção é a parcelada, que pode ser em vários meses. Se alguém tiver em débito com a prefeitura, não conseguirá o desconto, sendo necessário primeiro, pagar a dívida.

Os Correios ficam responsáveis pela entrega dos boletos a todos os contribuintes, mas só aqueles que possuem imóveis. Quem é dono de um terreno precisa ir à prefeitura para retirar o carnê de pagamento. Também é possível realizar a consulta no site da prefeitura. Muitas vezes, acontece dos Correios não conseguir entregar o carnê, pelos mais variados motivos, só que isto não servirá de justificativa no caso do não pagamento do IPTU, então a dica é ficar atento ao calendário, saber a data de vencimento e não perder o prazo.

Em Cuiabá, Mato Grosso, o IPTU pode ser pago na rede bancária, inclusive nos terminais de autoatendimento e até mesmo nas casas lotéricas. Quem tem conta bancária e pode acessá-la pelo celular, também consegue efetuar o pagamento do boleto, até o prazo limite. Quem tem IPTU atrasado, deve procurar a prefeitura para regularizar a situação, o quanto antes.

Este ano, o cálculo do IPTU levou em consideração o valor venal total do imóvel, que é apurado através da Planta de Valores Genéricos, conforme a Lei 5.355 de 12 de novembro de 2010. Este ano, a 1ª parcela e também a cota única, venceu no dia 11 de abril e quem optou pelo parcelamento pode pagar seguindo o calendário:

  • 2ª parcela: 11/05
  • 3ª parcela: 12/06
  • 4ª parcela: 11/07
  • 5ª parcela: 11/08
  • 6ª parcela: 11/09
  • 7ª parcela: 11/10
  • 8ª parcela: 13/11

Quem pagou a cota única, até o dia 11 de abril, teve 10% de desconto e espera-se que para 2018, será mantido este benefício, então os contribuintes podem ir planejando desde agora, guardando um pouco do 13º salário, reduzindo nos gastos de fim de ano e assim conseguirá uma boa economia. Vale ressaltar que o desconto é apenas para quem paga a cota única. Quem optar pelo pagamento parcelado, não pagará juros, mas também não terá direito aos 10% de redução no valor do IPTU.

Assim que o contribuinte receber o carnê do IPTU 2018 em Mato Grosso, deverá verificar se o valor está de acordo e caso não concorde, poderá solicitar uma revisão, mas sempre atento ao prazo limite, pois passando da data estipulada, não será mais possível formalizar a reclamação.

A prefeitura de Cuiabá – MT disponibiliza em seu site a emissão online da guia do IPTU. Assim que os valores, calendário e descontos estiverem disponíveis, é só acessar o link abaixo e informar o 'Tipo de Inscrição', além do número da inscrição: http://iptu.cuiaba.mt.gov.br/emissao-de-guia-do-iptu.

Moradores de outras cidades do Mato Grosso, que não encontrarem esta opção no site da Prefeitura Municipal, deverão se dirigir à mesma, para solicitar o carnê.

Por Russel


O reajuste do IPTU da Bahia, em 2018, não poderá ser maior que a inflação deste ano, valendo tanto para os imóveis residenciais como os não residenciais e até os terrenos.

Quando chega o final do ano, os brasileiros se preparam para as festas natalinas, o réveillon, mas poucos se lembram que em janeiro as contas chegam e aí é hora de ficar apertado financeiramente. O IPTU é um dos impostos que mais pesa no orçamento quando o ano começa e o motivo é que a maioria não fez um planejamento e muitos acabam se endividando. Além do IPTU, tem o IPVA, material escolar, as faturas dos cartões de crédito referente às compras de dezembro, ou seja, as despesas aumentam e o salário continua o mesmo, uma combinação que sempre acaba prejudicando o trabalhador.

Fazer dívidas é um péssimo negócio, ninguém mais duvida disso, então a dica é começar a se planejar desde agora, para começar 2018 mais tranquilo, ou pelo menos, não tão apertado com as contas para pagar.

Na Bahia, vários municípios já estão há alguns meses se mobilizando para conseguirem ajustar o IPTU à nova realidade, o que certamente desagrada os contribuintes. Em Salvador, por exemplo, a Câmara conseguiu aprovar mudanças importantes na cobrança do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana, de forma que o reajuste não poderá ser maior que a inflação deste ano, valendo tanto para os imóveis residenciais como os não residenciais e até os terrenos.

A votação aconteceu no dia 27 de setembro, sendo aprovado o projeto de lei que deixou definido como será o aumento do IPTU para 2018 na capital baiana. Como os economistas estão prevendo uma inflação baixa, os contribuintes não terão que pagar muito mais do que pagaram este ano. O prefeito ACM Neto encaminhou o projeto para a Câmara no dia 8 de agosto, tendo sido aprovado por 31 votos a favor e 10 contra.

O FDT – Fator de Correção de Dimensão do Terreno, acabou sendo retirado do projeto de lei, apesar do executivo ter tentado conseguir ajustes na base de cálculo para os terrenos maiores e que ficam em regiões da cidade que não são tão valorizadas. Em 2014, a população de Salvador teve que arcar com um grande aumento no imposto e estava preocupada com o que poderia vir no próximo ano.

O IPTU deve ser pago tanto por pessoas físicas, como também jurídicas, desde que tenham posse, propriedade ou domínio de um imóvel, independente da área já estar construída ou não. Vários fatores determinam o valor do IPTU, como a localização, construção, se a região é ou não valorizada, etc.

Os Correios ficam encarregados de entregar ao cidadão os boletos para pagamento do imposto, entretanto, há casos em que esta entrega acaba não acontecendo, só que isto não servirá de desculpa para o não pagamento do boleto. Cada pessoa deve procurar uma forma de se informar sobre a data limite de pagamento e obter a segunda via, que pode ser retirada, inclusive, pelo site da prefeitura.

No link a seguir, é possível emitir a 2ª via da guia de recolhimento referente ao IPTU, bastando informar o número da inscrição e o ano de exercício: www.sefaz.salvador.ba.gov.br/IPTU/Emissao2via_iptuTrsd?Length=4.

Esta comodidade é para quem possuiu um imóvel em Salvador, mas muitas outras cidades da Bahia disponibilizam o serviço de 2ª via online, é só acessar o site de sua cidade e conferir. Aqueles municípios que não contam ainda com esta opção, fornecem a segunda via do IPTU para quem for pessoalmente à prefeitura, o que não pode é ficar sem pagar dentro do prazo estipulado, do contrário terá que pagar juros.

A Prefeitura de Salvador deverá oferecer descontos, por isso esteja preparado para quitar o quanto antes o IPTU de 2018. Para não ter problemas e evitar atrasos no pagamento, o cidadão deve entrar em contato com a prefeitura de sua cidade, desde agora, para se informar quando estará sendo divulgado o calendário com as datas de pagamento e qual será a porcentagem de desconto para quem efetuar o pagamento integral.

Por Russel


A opção pelo pagamento do IPTU MG 2018 em uma única parcela tem desconto de até 10% no montante total ou ainda pode ser dividido em parcelas que variam de 2 até 10 de acordo com o porte da localidade em que reside.

A posse de um imóvel considerado exige de seus proprietários o cumprimento de algumas obrigações junto às entidades públicas para que elas garantam a qualidade na estrutura para ser utilizada.

Com relação a este assunto, uma das formas usadas pelos órgãos públicos consiste na cobrança anual do IPTU MG 2018 o qual terá as suas delimitações gerais em seguida neste texto.

Conceitos básicos sobre IPTU MG 2018

O IPTU MG 2018 consiste no Imposto Predial e Territorial Urbano cobrado em todas as cidades do estado de Minas Gerais para quem possui algum tipo de imóvel ou terreno com finalidades tanto residenciais como também comerciais.

Neste caso, estão inseridos os mais variados tipos de criações em construção civil dentro do território urbano como terrenos construídos ou não, prédios, edifícios, casas, lojas, apartamentos e todos os outros.

A finalidade do recolhimento quanto ao IPTU MG 2018 está vinculada com o seu uso para melhorias na infraestrutura urbana à disposição dos moradores e empresários bem como para controlar os preços praticados pelo mercado imobiliário em uma determinada localidade.

Calendário e valores do IPTU MG 2018

O pagamento do IPTU MG 2018 é realizado em todas as cidades mineiras no início de cada ano sendo preciso, neste caso, de forma inicial fazer uma consulta no site oficial da prefeitura de seu município para conferir os seus valores atualizados.

No caso, por exemplo, de quem reside em Belo Horizonte é possível acessar o site http://iptuonline.siatu.pbh.gov.br/IptuOnline/index.xhtml informando o número cadastral bem como o CPF ou CNPJ do proprietário e, em seguida, serão apresentados os valores a serem devidamente pagos.

O cálculo do IPTU MG 2018 tem uma base que oscila entre 5% a 10% do valor venal de determinado imóvel que é calculado de acordo com critérios como a presença de construção, sua localização e ainda a metragem.

Pagamento IPTU MG 2018

A forma inicial para o pagamento do IPTU MG 2018 consiste no carnê que é entregue pela prefeitura municipal nas casas de todos os contribuintes que tem a obrigação pelo seu pagamento.

Neste instrumento existe a opção pelo pagamento em uma única parcela com desconto de até 10% no montante total ou ainda com a divisão em parcelas que variam de 2 até 10 de acordo com o porte da localidade em que você reside.

Esta quitação considerada pode ser feita em estabelecimentos bancários e em uma Casa Lotérica como também pela forma online em um serviço de Internet banking adotado de maneira rotineira por cada pessoa considerada.

O recebimento do carnê relacionado com o IPTU em Minas Gerais para o ano de 2018 ocorre na primeira quinzena do mês de janeiro sendo entregue no endereço presente dentro dos cadastros da prefeitura municipal.

Emissão de 2ª via para IPTU MG 2018

Caso você não tenha recebido em sua residência/comércio o carnê para pagamento do IPTU MG 2018 ou tenha perdido o mesmo é possível obter a sua segunda via na sede da prefeitura de seu município no setor responsável por esta demanda determinada.

Além disso, este documento pode ser também adquirido por meio da sua emissão no site da prefeitura que lida especificamente com este tipo de imposto.

Neste caso determinado, o montante emitido na segunda via do IPTU MG 2018 constará os juros e multas relacionados com o atraso que você tenha cometido no pagamento agendado para esta obrigação civil em consideração.

Conclusão

Portanto, os detalhes relacionados com o IPTU MG 2018 apresentados neste artigo servirão de guia para a sua quitação com esta obrigação civil atentando, neste caso, para os prazos que devem ser adequadamente cumpridos para que não haja a necessidade de pagamentos adicionais ou complicações civis a ele relacionadas.

Por Ana Camila Neves Morais


Os carnês são entregues pelos Correios, mas quem não receber deverá providenciar a 2ª via, sendo que em alguns municípios do estado isto pode ser feito pela internet.

Em breve os municípios do Rio Grande do Sul estarão disponibilizando o calendário para pagamento do IPTU 2018, informando os valores para quem optar pelo pagamento parcelado e o desconto para aqueles que se dispuserem a pagar a cota única.

Os carnês são entregues pelos Correios, mas quem não receber deverá providenciar a 2ª via, sendo que em alguns municípios do estado isto pode ser feito pela internet, no site da prefeitura, mas se não for possível, então o contribuinte deverá ir pessoalmente buscar o seu carnê, para evitar a cobrança de juros, caso haja atraso no pagamento.

Em Porto Alegre, poderão ocorrer algumas mudanças no IPTU e isto vem gerando reclamações, uma vez que irá afetar cerca de 745 mil imóveis na capital do Rio Grande do Sul. Os técnicos da Secretaria Municipal da Fazenda passaram 7 meses analisando vários setores da cidade e uma atualização do valor estará sendo feita, uma vez que eles levaram em consideração o valor do metro quadrado na região onde o imóvel se encontra, também analisaram o material que foi utilizado na obra, há quanto tempo o imóvel foi construído, se é residencial ou comercial, além da finalidade, por exemplo, se é utilizado como escritório, comércio, residência, entre outros.

Com estes dados em mãos, os técnicos providenciaram as milhares de atualizações e a prefeitura, no intuito de evitar que houvesse consternações, utilizou um redutor na média de 70%, ou seja, um imóvel avaliado em R$ 100 mil acabou tendo o cálculo do IPTU baseado em R$ 70 mil. A alíquota para os imóveis residenciais é de 0,85% do valor venal do imóvel, mas a prefeitura quer uma faixa de isenção que obedeceria a seguinte tabela para os imóveis:

  • Valor de até R$ 60 mil – isento
  • Valor de R$ 60 mil a R$ 100 mil – alíquota de 0,4%
  • Valor de R$ 100 mil a R$ 300 mil – alíquota de 0,5%
  • Valor de R$ 300 mil a R$ 500 mil – alíquota de 0,6%
  • Valor de R$ 500 mil a R$ 1 milhão – alíquota de 0,7%
  • Valor acima de R$ 1 milhão – alíquota de 0,8%

A prefeitura alega que a planta de valores do IPTU está há 26 anos sem ser atualizada e por isto os contribuintes deverão se assustar, uma vez que a atualização será alta. Mas foi criada uma regra de transição, para proporcionar uma diluição deste aumento em quatro anos, sendo que em 2018 o aumento seria de 30%, em 2019 mais 30%, em 2020 mais 30% e finalmente em 2021 seriam os 10% restantes. Milhares de imóveis em Porto Alegre contarão com uma redução no IPTU, muitos ficarão isentos e outros sofrerão reajustes.

Se o IPTU de 2018 seguir as regras do anterior, o pagamento poderá ser feito no Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Itaú, Sicredi, Santander, Banrisul ou no Citibank. As casas lotéricas também aceitam pagamento do IPTU, desde que sejam abaixo de R$ 1 mil. A cota única deste ano deu um desconto de 12% e os contribuintes que optarem por pagar o IPTU de 2018 à vista, certamente serão beneficiados com uma ligeira redução no valor.

O pagamento deve ser parcelado em até 10 vezes, como aconteceu este ano, quando a primeira parcela venceu no dia 08 de março e as parcelas seguintes venceram no dia 8 de cada mês. Vale lembrar que, quando a data de vencimento for em um dia que não haja expediente bancário, então o pagamento pode ser feito no primeiro dia útil subsequente.

No site da prefeitura de Porto Alegre, estarão disponíveis em breve, todas as informações sobre os valores do IPTU 2018, descontos, como obter a 2ª via e o calendário com as datas de pagamento, é só acessar: www2.portoalegre.rs.gov.br/smf/default.php?p_secao=166#.

Demais municípios do Rio Grande do Sul, deverão divulgar todas estas informações também em seus respectivos sites, mas caso alguma prefeitura não ofereça esta comodidade, o contribuinte deverá ir até a mesma e solicitar o carnê de pagamento.

Por Russel


Muitos municípios de Santa Catarina já começaram o cronograma para a entrega dos carnês para o pagamento do tributo.

2018 vem chegando, e os tradicionais tributos também. Os primeiros meses do ano requerem atenção especial do contribuinte para uma série de impostos que precisam ser pagos, como é o caso do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), taxa cobrada pelos municípios sempre no início de cada ano. Em Santa Catarina não é diferente. Muitos municípios já começaram o cronograma para a entrega dos carnês para o pagamento do tributo. Algumas cidades, inclusive, devem fazer reajustes, corrigindo o valor com a inflação do ano anterior.

Um destes casos é Florianópolis, que desde novembro deste ano, já se prepara para o recolhimento do imposto. Cada um destes contribuintes deve receber neste mês de dezembro, em sua residência, o boleto para o pagamento. Segundo informações divulgadas, os que efetuarem o pagamento até o dia 05 de janeiro recebem um desconto de 20% sobre o valor devido, como incentivo, para que o cidadão possa pagar antecipadamente o IPTU.

Apesar do pagamento em cota única no mês de Janeiro conceder um desconto maior, os contribuintes que efetuarem o pagamento em cota única até o dia 05 de fevereiro, recebem descontos de 10%. O pagamento em cota única até o dia 05 de março recebe um desconto de 5%. Quem efetuar o pagamento parcelado de janeiro a março de 2018 não recebe descontos sobre o valor.

A segunda via pode ser obtida na Prefeitura, caso seja preciso.

O IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) é um dos diversos tributos que os cidadãos devem realizar o pagamento. É cobrado tanto de pessoas jurídicas quanto de pessoas físicas, que sejam proprietários de prédios, apartamentos, terrenos ou residências. Ele é recolhido anualmente pela Prefeitura, cujos recursos ingressam nos cofres públicos para obras e outras melhorias.

O valor do imposto é baseado no valor venal do imóvel, sendo que esta base não pode ser aumentada nem alterada pelo município, apenas sendo permitida sua atualização através do valor da inflação no período.

No ano de 2017, as prefeituras de Santa Catarina, projetavam arrecadar pouco mais de 530 milhões de reais através do recolhimento do imposto. Em tempos de crise e com as Prefeituras arrecadando valores menores, o IPTU se torna um dos principais tributos a serem incorporados em seus orçamentos. Segundo informações, em 2016, as cidades de Santa Catarina chegaram a arrecadar 260 milhões de reais. Ainda em 2017, somente em Florianópolis, foram emitidos 144.256 guias para o pagamento do IPTU, com uma arrecadação de 252 milhões de reais.

Em Joinville, os carnês do IPTU receberão uma nova ilustração, resultado de um concurso realizado ainda nesse ano de 2017, escolhendo o melhor desenho para estampar o carnê do imposto referente a 2018. O tema escolhido foi: reciclagem, o destino do nosso lixo também é questão de cidadania. Além do desenho, uma frase também foi escolhida.

Em Concórdia, no oeste, aposentados, pensionistas com rendimento até dois salários mínimos e sociedade sem fins lucrativos com atividades educacionais e culturais podem solicitar a isenção do imposto para 2018, que vale até o dia 20 de dezembro deste ano. Na cidade, uma lei do ano de 211 regulamenta esse benefício, possibilitando a estes cidadãos a isenção do tributo. Na cidade, as guias de recolhimento do IPTU serão liberadas apenas em Janeiro de 2018. O procedimento é todo digital.

Já na cidade de Blumenau, a segunda via pode ser obtida de forma digital no site da Prefeitura. Na cidade, o pagamento em cota única tem desconto de 8%. Já o pagamento parcelado pode ser feito em até 11 vezes, porém, sem a concessão do desconto. O pagamento pode ser realizado nos bancos e na Casa Lotérica.

Por Leandrinho de Souza


Confira informações sobre o IPTU do Paraná.

Quem mora no estado do Paraná, já deve ficar de olho no site da prefeitura de sua cidade, pois o calendário com as datas de pagamento do IPTU 2018 estará sendo disponibilizado muito em breve. Na capital, Curitiba, a Câmara Municipal estará analisando nesta segunda-feira (04), dois projetos de lei complementar que são urgentes e tratam justamente deste assunto e o contribuinte precisa acompanhar de perto, pois a intenção é garantir um aumento no Imposto Predial e Territorial Urbano.

Além do reajuste no IPTU, levando em consideração os últimos 12 meses, ainda teria mais 4% para os imóveis de 7% para os terrenos, ou seja, os moradores de Curitiba poderão começar 2018 tendo um gasto extra.

O IPTU é uma das maiores fontes de arrecadação da capital do Paraná e caso a prefeitura consiga o reajuste, tanto pelo IPCA como também os 4% ou 7% (para residências e terrenos), então conseguirá um faturamento bem acima do esperado.

E aqueles que ainda não fizeram a indicação dos imóveis com o programa Boa Nota Fiscal, devem fazer até a próxima terça-feira, dia 5. O prazo na verdade venceu na última quinta-feira (30), mas a prefeitura de Curitiba resolveu estender a data limite para indicação, pois a procura foi muito grande e o site acabou ficando fora do ar por um período, prejudicando os interessados. Com esta prorrogação, a prefeitura municipal espera que todos possam fazer suas indicações sem problema. É só acessar o site a seguir e efetuar o cadastro, sendo que o limite do desconto é de 30%:
https://isscuritiba.curitiba.pr.gov.br/portalnfse.

A maioria das cidades do Paraná disponibiliza no site da prefeitura municipal todas as informações sobre o IPTU 2018, por exemplo, na capital do estado é possível consultar a tabela do imposto deste ano, que provavelmente será a mesma para o ano que vem, podendo consultar as alíquotas para imóveis residenciais, não residenciais e os territoriais.

A tabela de alíquotas do IPTU é progressiva, mudando de acordo com o valor do imóvel, por exemplo, os imóveis residenciais cujo valor seja de até R$ 38.645,00 pagam uma alíquota de 0,20%, porém, a porcentagem vai aumentando à medida que o valor sobe, por exemplo:

Um imóvel no valor de R$ 75 mil tem a alíquota na primeira faixa que é de R$ 38.645,00. Depois vem a segunda faixa, até R$ 48.386,00. Depois é a terceira faixa, até R$ 67.710,00 e por fim, a quarta-faixa, que vai até R$ 87.036,00. A primeira faixa é de 0,20% e dá R$ 77,29. A segunda faixa é de 0,25% e dá R$ 24,35. A terceira faixa é de 0,35% e dá R$ 67,63. A quarta faixa é de 0,55% e dá R$ 40,09. Sendo assim, o valor total do IPTU é de R$ 209,36.

Todas estas informações sobre o cálculo do IPTU ficam disponíveis nos sites da prefeitura e caso o seu município não ofereça esta comodidade, o jeito será ir pessoalmente ao setor responsável para se informar.

Outra facilidade que os sites oferecem é a possibilidade de emitir a 2ª via do IPTU, não precisando sair de casa e nem enfrentar filas. O carnê do IPTU 2018 será entregue pelos Correios, entretanto, por diversos motivos, muitos contribuintes acabam não recebendo, só que isto não serve de justificativa para o atraso no pagamento.

Em Curitiba, por exemplo, basta acessar o link a seguir e informar os dados solicitados para ter a segunda via e assim, efetuar o pagamento dentro do prazo estipulado:
www2.curitiba.pr.gov.br/gtm/iptu/carnet/default.aspx.

Comece a programar o pagamento do IPTU 2018 desde agora, já reservando o valor referente ao imposto, uma vez que todo início de ano é marcado por muitas contas, então é melhor se prevenir, evitando o atraso no pagamento e, consequentemente, a cobrança de juros.

Por Russel


A partir do ano de 2018, haverá o encaminhamento do carnê apenas 2 vezes ao ano. Confira as opções.

O IPTU SP 2018 é uma das principais preocupações dos contribuintes que residem nesta região do país no início de cada ano, pois consistindo no imposto a ser pago para aqueles que possuem qualquer tipo de imóvel ou terreno dentro do perímetro urbano.

Como os valores e situações relacionadas com o pagamento adequado do IPTU para o ano de 2018 em São Paulo apresentam sempre modificações relevantes, este assunto será abordado com maiores detalhes em seguida neste artigo considerado.

Valores relacionados com o IPTU SP 2018

O montante a ser pago por determinado contribuinte quanto ao IPTU SP 2018 é realizado com base em uma multiplicação que considera o valor venal de cada um deles com uma alíquota delimitada pelos municípios do país de maneira específica.

O valor venal consiste no preço a ser pago pelo Poder Público caso aquele imóvel seja adquirido por meio de desapropriação sendo, portanto, sempre menor do que o valor de mercado considerado para o mesmo.

Já a alíquota vinculada com este imposto tem a sua porcentagem determinada por lei e que, no caso da cidade de São Paulo, por exemplo, será mantido em 3% com um reajuste relacionado apenas com a correção vinculada à inflação neste período avaliado.

Mudança no envio de carnê para pagamento IPTU SP 2018

Até o ano de 2017 os carnês para pagamento do IPTU relacionado ao ano corrente em São Paulo eram encaminhados um a cada mês que deveria ser pago pelos contribuintes de maneira especificada.

A partir do ano de 2018, haverá o encaminhamento apenas 2 vezes ao ano com a seguinte organização:

· 1º boleto: No início do ano contendo o lançamento referente ao valor total do IPTU com as suas primeiras parcelas.

· 2º boleto: Após o final do período de pagamento referente ao boleto anterior com os códigos de barras das parcelas ainda exigidas para sua quitação completa.

Para que os contribuintes não sejam pegos de surpresa haverá ampla comunicação no início do ano de 2018 com as datas especificadas para cada uma das situações mencionadas anteriormente.

Pagamento do IPTU SP 2018

As formas de pagamento vinculadas com o IPTU SP 2018 têm duas variações possíveis podendo ser feita de forma única como também de maneira parcelada em quantidades variadas dependendo do valor final a ser pago.

Existirão no ano de 2018 para o IPTU em São Paulo modalidades diferentes para sua quitação que pode ocorrer nas unidades da prefeitura municipal como também em alternativas como caixas eletrônicos dos bancos credenciados, pelo Internet Banking ou pelo cadastro de débito automático na conta corrente do contribuinte.

Consultas e 2ª via do IPTU SP 2018

Os contribuintes que possuem débitos pendentes quanto ao IPTU SP 2018 ou que desejam verificar alguns aspectos gerais de sua situação com relação ao pagamento deste imposto podem realizar consultas neste sentido.

Para isso basta acessar www.prefeitura.sp.gov.br escolhendo a página da Secretaria Municipal de Finanças acessando, em seguida, o ícone do IPTU que será apresentado após colocar informações como o CPF ou CNPJ bem como o código do imóvel.

Além de informar os débitos ou situação de um imóvel delimitado, este meio permite a emissão de 2ª via para carnês que se encontram em atraso, que foram perdidos ou que não chegaram ao endereço do contribuinte interessado com a geração, em seguida, do boleto bancário que deverá ser pago na data informada.

Conclusão

Desta maneira, ao considerar os aspectos básicos vinculados com o IPTU SP 2018 é possível realizar uma organização adequada no orçamento cotidiano para conseguir, assim, efetuar este tipo de pagamento sem atrasos evitando, com isso, a inclusão de novos valores ao montante principal delimitado.

Por Ana Camila Neves Morais





CONTINUE NAVEGANDO: