Confira algumas dicas de como ganhar dinheiro com aluguel por temporada. Vale muito a pena.

Já pensou em alugar um imóvel próprio por temporada? Sim, este em muitos casos é um investimento que pode valer muito a pena e oferecer bons retornos financeiros. Entretanto, assim como qualquer negócio exige empenho, cuidados e dedicação para de fato alcançar o sucesso esperado.

Confira 7 dicas para colocar esse plano em prática!

1. Escolha seu público-alvo

Se pretende investir em aluguel por temporada, é importante pesquisar qual público-alvo deseja atender e em quais situações. Nesse caso, vale a pena pensar em termos econômicos (baixo, médio ou alto padrão) e necessidades (eventos, pontos turísticos ou aluguel de apenas um cômodo do imóvel).

2. Pesquise preços e fluxos de turismo

Antes de anunciar que seu imóvel está sendo alugado por temporada, é importante pesquisar sobre preços praticados em sua região. Ainda é necessário verificar se há algum período específico com maior número de visitantes, principalmente se for cidade ou local turístico.

3. Busque consultoria jurídica

Em alguns casos, como períodos mais extensos, pode haver a necessidade de elaborar um contrato de locação. Assim, para assegurar ambas as partes (locador e locatário) pode haver a necessidade de uma consultoria jurídica.

4. Invista em sua propriedade

Independentemente do seu público-alvo, procure investir em sua propriedade. Assim, vale sempre a pena realizar reformas e manutenções periódicas, para mantê-la sempre em boas condições de uso e atrair mais visitantes em cada temporada.

5. Tenha atenção redobrada com a limpeza e organização

Os hóspedes sempre vão querer encontrar ambientes limpos e organizados. Então contrate profissionais para fazer esse tipo de serviço de maneira mais detalhada, com equipamentos e produtos específicos.

6. Faça uma boa divulgação

A melhor forma de as pessoas conhecerem seu serviço de aluguel por temporada é anunciando. Isso pode ser feito na internet gastando-se pouco, por meio de redes sociais (Facebook e Instagram) e sites especializados em hospedagem. Não se esqueça de caprichar nas fotos e vídeos de boa qualidade (cor, foco, enquadramento e resolução).

7. Ofereça alguns mimos

Uma forma interessante de ganhar mais hóspedes por temporada é oferecer a eles alguns diferencias. Por exemplo, deixe uma lista com algumas informações sobre a propriedade e como usá-la da melhor forma. Procure também deixar alguns produtos básicos e personalizados, como sabonete, sabão, papel higiênico, entre outros.

Com essas dicas, ficará bem mais fácil alugar seu imóvel por temporada e faturar mais. Também não se esqueça de obter depoimentos positivos sobre a qualidade de seu serviço e usá-los como propaganda e forma de melhorar.

Gostou destas dicas? Tem mais alguma para compartilhar?

Por Camilla Silva

Alguel


Portal promete facilitar a vida de quem busca um novo imóvel para comprar ou alugar.

Procurar imóveis para compra ou aluguel em jornais, revistas, anúncios ou imobiliárias já é coisa do passado. Afinal, hoje através de aplicativos, redes sociais e sites é possível visualizar ofertas de empreendimentos sem sair de casa. Nesse setor, destaca-se o portal Agente Imóvel, que possui ferramentas completas e práticas. Descubra a seguir como ele pode facilitar sua busca, de acordo com interesses específicos.

Gráficos e Comparativos

Na seção “tendências” do site, são expostos gráficos detalhados sobre vendas de imóveis em estados, cidades e bairros. Então são apresentadas informações como:

  • Períodos em que os preços aumentaram ou diminuíram.
  • Quanto em porcentagem e em reais esses valores variaram.
  • Média geral de preços.
  • Valor por metro quadrado.
  • Ranking das regiões mais caras.
  • Comparativo de preços de imóveis de uma cidade inteira e um bairro específico.
  • Comparativo de valores entre cidades.

Para fazer pesquisa, basta digitar no campo “tendências” o nome da cidade ou bairro que deseja verificar. Se quiser fazer isso de forma mais detalhada, basta colocar alguns dados na opção “refinar resultados”.

Vendas e Aluguel

Nos menus “venda” e “aluguel” estão disponíveis propriedades à venda ou para alugar. Esses anúncios geralmente têm fotos, descrição, número de cômodos, preço, tamanho da área e valor por metro quadrado dos empreendimentos. Caso tenha interesse em algum, basta clicar na imagem principal e enviar uma mensagem para o vendedor. O site também sugere imóveis similares aos visualizados por você, de acordo com a região pesquisada.

Mas se deseja anunciar algum imóvel para venda ou aluguel é só clicar em “Anuncie já” e preencher os dados solicitados. Essa opção está disponível tanto para proprietários quanto para corretores.

Outros Serviços Online

Dispõe ainda de serviço de avaliação online de imóveis diversos. Nesse caso, é só clicar em “avalie sua casa agora” e repassar as informações solicitadas. Porém, isso está disponível somente para a região de São Paulo/SP.

Além disso, o portal Agente Imóveis possui um blog com notícias sobre o mercado imobiliário. Oferece também várias dicas sobre vendas, compras, aluguéis e decoração de empreendimentos em geral.

Essa então é uma alternativa completa para quem necessita de informações imobiliárias. Ademais, é uma forma interessante para encontrar e anunciar propriedades de acordo com suas necessidades ou interesses.

Camilla Silva


Confira aqui os bairros com aluguel mais barato e caro em São Paulo (SP).

Com a crise afetando todo mundo, alugar um imóvel não tem sido nada fácil, pois todo mundo quer sempre encontrar um que seja mais barato, mas que ofereça boa localização. Essa tarefa se torna mais difícil quando se procura por um imóvel para alugar em São Paulo, onde os preços geralmente são mais altos, mas há vários lugares na cidade onde é possível fechar um bom negócio.

Os melhores preços estão em Pirituba e também na Vila Formosa, mas lembre-se que para alugar um imóvel é preciso levar em consideração outros fatores, por exemplo, a distância de seu trabalho, se tem escola por perto, supermercado ou algum centro comercial e se for para empresa deve-se verificar se o ponto é comercial.

São Paulo é uma cidade que conta com ótimos bairros, pontos privilegiados, porém, esses lugares geralmente são os mais caros para se alugar um imóvel, por exemplo, na Vila Olímpia o metro quadrado pode ultrapassar os R$ 65,00. Em Pinheiros o valor é mais baixo um pouco, custa R$ 54,78 o metro quadro, o que ainda está bem acima do limite da maioria das pessoas e empresas que procuram um imóvel.

Outra região de São Paulo onde o aluguel é mais caro é no Brooklin, com o metro quadrado acima dos R$ 53,00. Outros locais que têm o metro quadrado mais caro para aluguel em São Paulo são: Bela Vista, Vila Mariana e também no Perdizes.

Mas há os locais em que o metro quadrado para aluguel de imóveis é bem mais em conta e são regiões que contam com ótimos pontos, é só ter um pouco de paciência para encontrar o imóvel que atenda ao seu perfil. Na Vila Formosa o preço do metro quadrado é só R$ 20,00 e você só precisa procurar um pouco mais para encontrar muitas opções boas.

Na Freguesia do Ó o metro quadrado para aluguel de imóvel é só R$ 21,00. E tem vários outros pontos onde você paga bem menos, confira alguns: Vila Carrão, Santana, Butantã, Vila Prudente, Mooca e Tatuapé.

O importante é nunca fechar negócio no primeiro imóvel que lhe apresentarem e ler atentamente o contrato antes de assinar. E ainda, dê uma volta pelas ruas próximas do imóvel de seu interesse, procure conhecer o bairro e ainda, verifique se há risco de inundação.

Por Russel


Queda registrada é de 2%. Rio de Janeiro apresenta o valor do aluguel por m² mais caro e Curitiba, o mais barato.

Fipezapé o indicador utilizado para medir os preços de vendas e locação dos imóveis anunciados e engloba todo o território nacional e também é considerado o termômetro do mercado imobiliário brasileiro. Esse indicador é calculado pela Fipe e tem como parâmetro os anúncios feitos pelas pessoas através do acesso a internet no site do ZAP Imóveis, dentre outros sites também. Dessa forma é possível agrupar milhares de anúncios formando uma sólida base de dados.

O estudo para elaboração desse índice ocorre em nove cidades do País, tais como, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Campinas, São Bernardo do Campo, Salvador, Brasília, Porto Alegre e Santos.

O valor do aluguel residencial teve mais uma baixa durante o ano corrente e a porcentagem dessa queda é de 2%. No último mês esse preço diminuiu 0,78% se comparado com o mês de agosto de 2015. A pesquisa pela FipeZap foi iniciada no ano de 2008 e esse percentual foi a maior queda durante um mês já registrada. Vale informar também que essa é a quarta queda que esse indicador registrou, comparando com o mesmo período do ano que se passou.

O Rio de Janeiro foi considerado o lugar com o m² mais caro, sendo esse valor de R$ 38,58-mês e logo abaixo vem à cidade de São Paulo com o valor de R$ 36,51-mês. Já o preço de aluguel mais em conta é encontrado na cidade de Curitiba e custa R$ 16,06-mês. Foi verificado pela pesquisa que o preço dos anúncios de locação, se consideramos as nove cidades citadas acima, é em média R$ 32,76 o valor do m².

Durante os nove meses que se passaram este ano, foi possível registrar as maiores quedas do preço médio de aluguel residencial. No Rio de Janeiro foi apurada uma diminuição de 6,06% e em Curitiba foi de 3,97%. Nas cidades de São Bernardo do Campo e Campinas esse valor cresceu e foi para 5,03% e 3,97%, respectivamente.

Por Paula Barretto Guerra

Aluguel residencial

Foto: Divulgação


O índice usado para reajustar a maior parte dos contratos de imóveis no Brasil, o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) teve variação de 0,43% na 1ª prévia de junho de 2013. A Fundação Getúlio Vargas informou o aumento em relação ao mesmo período do mês anterior, que registrou alta de 0,03%.

Por incrível que pareça, altas em preços do tomate e outros alimentos contribuíram para o aumento no indicador, isso devido ao Índice ao Produtor Amplo (IPA). No índice é considerado a inflação do atacado, apresentando maior peso sobre o cálculo do IGP-M (60%). Representando um crescimento de 0,18% no período e diminuição de 0,17% em relação à prévia de maio.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) apresentava um peso de 30% e teve uma diminuição para 0,25% na primeira prévia de junho. No mês anterior a taxa foi de 0,31% segundo a FGV. Uma boa notícia foi que cinco das oito classes das despesas que compõe o índice apresentaram diminuição em suas taxas de variação.

Os outros 10% que compõe o IGP-M são representados pelo Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que teve uma alta de 2,4%. No mesmo período de maio, o aumento foi de 0,66%.

Por Robson Quirino de Moraes


Quando o sonho da casa própria parece distante, uma boa saída é locar moradia. Um levantamento realizado pelo Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP revela que os aluguéis residenciais novos na cidade de São Paulo avançaram 2,1% entre fevereiro e março de 2011. Esse crescimento, no final das contas, gera índice de 15,25% n acumulado dos últimos 12 meses.

Na visão de Francisco Crestana, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do sindicato, atualmente existe falta geral de imóveis para alugar na capital paulista, situação que empurra os valores da locação para cima.

O Secovi-SP aponta que os contratos de aluguel celebrados em conformidade ao Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) sofrerão reajuste em 10,95% em abril, taxa acumulada e relacionada aos últimos 12 meses encerrados em março.

A ascensão registrada nos contratos novos foi estimulada, especialmente, pelas residências de dois e três dormitórios, cujas taxas avançaram 2,7% e 3,6%, respectivamente. Nas moradias de um quarto o acréscimo abraçou índice de 0,5% no mês de março em detrimento a fevereiro.

A expansão do setor imobiliário pode ajudar a explicar essa constatação de carência de imóveis de locação. Algumas pessoas, na espera pela entrega das chaves de seu lar próprio, optam por alugar um canto temporário.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Secovi-SP


O feriado de Páscoa deste ano ganhou um plus já que o feriado de Tiradentes ficou aglutinado nesta data. Esta é a desculpa perfeita para aproveitar os quatro dias de descanso ouvindo o som do mar.

O Conselho Regional e Corretores de Imóveis de São Paulo – CRECI – publicou índices relativos aos preços de aluguel de imóveis por dia no litoral. Os valores dos aluguéis para está curta temporada varia de R$ 80,00 à R$1400,00 a diária.

Mesmo os valores estando acima do esperado, são poucos os imóveis ainda à disposição, pois a maioria já está alugada para todo o feriado prolongado.

Aqueles que ainda pretendem, de última hora, obter um "espaço ao sol" devem se apressar, pois quanto mais próximo do feriado, mais caros são os valores  e menores as opções de imóveis. Uma boa dica, neste momento, é tentar negociar parcelamentos mais suaves ou ainda uma troca de favores com os proprietários de imóveis para temporada, isso com toda certeza vai reduzir, e muito, na hora de pagar pelo imóvel alugado.

Por Layla Rodrigues


Um dos meios para conquistar a independência física da casa dos pais é adquirir um imóvel próprio ou buscar aluguéis de residências, que podem tanto ser casa como apartamento (de um, dois ou mais dormitórios). A opção por um ou outro depende do valor praticado e da intenção do consumidor.

De acordo com o Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Comerciais e Residenciais do Estado de São Paulo (Secovi-SP), os contratos de aluguel residencial que utilizam o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) como base serão reajustados em 10,95% em abril. Apesar de o índice se mostrar elevado, trata-se da menor taxa desde janeiro.

De acordo com Roberto Akazawa, gerente do Departamento de Economia do Secovi-SP, em função da insuficiência de oferta de residenciais para locação, o reajuste precisa ser consagrado integralmente. Se entre abril do ano passado e março de 2011 o aluguel chegava a R$ 1 mil, com essa correção o novo valor fica em R$ 1.109,50.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Secovi-SP


O boom imobiliário, no país, teve diversos pontos de origem, entre eles poder de renda mais saliente do brasileiro, bem como aumento do número de empregos na última década e acesso ao crédito com menos restrições. Para atalhar possibilidades de “bolha imobiliária”, assim como outros entraves semelhantes, o Banco Central (BC) decidiu iniciar um ciclo de alta da taxa básica de juros da economia, Selic, assim como determinações em torno do crédito.

Em compensação, muitas pessoas ainda optam por alugar imóvel residencial, casa ou apartamento. Segundo informações divulgadas pelo Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP), o número de contratos novos relacionados à locação, na cidade de São Paulo cresceu, 0,9% em comparação a janeiro, índice que salta para 15,14% no acumulado dos últimos 12 meses.

De acordo com Francisco Crestana, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do sindicato, embora exista grande falta de imóveis para locação na cidade, incidindo no avanço de valores dos novos contratos, a taxa de incremento de aluguéis apresenta-se em baixa. Para fomentar sua opinião, avalia que é a primeira ocasião, desde novembro do ano passado, que a ascensão do índice fica abaixo de 1%, ou seja, a incidência de oferta e demanda começa a ilustrar equilíbrio.

Separado por portes, as moradias de um e dois dormitórios sofreram aumento de preços de 0,4% e 0,5%, respectivamente, ao mesmo tempo em que moradias de três dormitórios representaram avanço de 2,5%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Secovi-SP


Àqueles que não possuem condições de adquirir imóvel novo ou que não querem fazê-lo por motivos distintos, locar residências surge como boa alternativa, sobretudo quando ela está situada próximo ao local de trabalho. Em 2010, o mercado de locação residencial para os paulistanos aumentou consideravelmente, tanto aos contratos mais antigos como aos novos.

De acordo com Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP) nos contratos válidos com aniversário neste início de ano (janeiro) e com o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) como base para cálculos, o aumento chegou a 11,32% entre janeiro e dezembro.

Nos contratos novos fixados no mês passado, houve acréscimo médio de 1,9%, no valor de apartamentos e casas, em comparação a novembro. Para Francisco Crestana, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do sindicato, essa alta serena poder ter como origem a ascensão das devoluções e atendimento de listas de espera de locatários.

A falta de imóveis para locação pode até diminuir nos próximos anos, pois as residências edificadas com base nas diretrizes do programa “Minha Casa, Minha Vida” devem ser entregues gradualmente. Contudo, ainda é cedo para emitir qualquer apreciação em torno dessa possibilidade.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Secovi-SP (release)





CONTINUE NAVEGANDO: