Inflação do aluguel sofreu leve alta em julho



  

IGP-M, índice utilizado para calcular o reajuste da maioria dos contratos de aluguel, registrou 0,69% em julho.

O aluguel vinha registrando baixa no aumento, para felicidade dos brasileiros que não possuem casa própria, mas agora em julho a inflação do aluguel voltou a ganhar força, de acordo com pesquisa realizada pela FGV – Fundação Getúlio Vargas.

Em junho, a inflação do aluguel foi de 0,67% e em julho teve uma ligeira alta, ficando em 0,69%.

Os dados foram divulgados pela FGV na quinta-feira (30) e o IGP-M, índice utilizado para calcular o reajuste da grande maioria dos contratos de aluguel referente a residências, ficou em 0,69%.

Para termos uma ideia de como a alta da inflação do aluguel está sendo sentida no mercado, basta considerarmos que em julho de 2014, a variação foi de -0,61%. Neste ano de 2015, até o mês de julho, a variação acumulada já chega a 5,05%. Nos últimos 12 meses, a alta registrada pelo IGP-M foi de 6,97%.

O IPA – Índice de Preços ao Consumidor – foi o único indicador do IGP-M que teve uma forte aceleração, é a "inflação de atacado" que teve a taxa elevada de 0,41% em junho para 0,73% em julho. Entre os itens que mais contribuíram para esta alta, estão:

– Soja em grão: 5,26%;

– Milho em Grão: 2,33%;





– Aves: 5,18%.

Estes produtos estão presentes no grupo "Matérias-Primas Brutas", que de 0,24% em junho foi para 1,57% em julho.

Mas os alimentos in natura foram no sentido oposto, apresentando um recuo e a variação foi de 1,80% para 0,96%. O minério de ferro também teve um recuo, indo de 5,90% para 3,09%, os bovinos também apresentaram recuo de -0,26% para -1,32% e os suínos de 6,98% para 0,62%.

O IPC – Índice de Preços ao Consumidor – também apresentou desaceleração. Este índice se refere à inflação no varejo que de 0,83% em junho caiu para 0,60% em julho. A queda maior foi indicada apenas como sendo nas "taxas de despesas diversas", que de 5,47% caiu para 0,52%.

O INCC – Índice Nacional de Custo da Construção – caiu de 1,87% para 0,66%, porém este é o índice com menor peso no IGP-M.

Por Russel

Aluguel



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *