A maioria dos contratos de aluguel tem seus reajustes regidos pelo IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) pesquisado pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e o índice apurado para o mês de Junho trará uma boa notícia para quem tem reajuste neste período. Houve um recuo na taxa apurada em relação ao mês de Maio. Enquanto no mês passado a taxa ficou em 1,19%, em Junho ela foi estimada em 0,85%, conforme informado pela FGV.

Ao longo dos últimos doze meses este índice apresentou um aumento de 5,17%. Já no primeiro semestre deste ano o aumento ficou em 5,68%. A desaceleração deste índice deveu-se principalmente aos preços praticados no atacado que tiveram uma elevação menor neste período.

O IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo) que tem peso de 60% na composição do IGP-M apresentou uma variação menor ficando em 1,09% em relação ao mês de Maio, onde esta taxa foi registrada em 1,49%.

Desta forma o índice que reajusta os aluguéis registrou baixa seguindo uma tendência no universo dos índices que medem a inflação oficial, que na comparação entre Junho e Maio apresentaram uma tendência de queda.

Por Mauro Câmara

Fonte: G1


Quem comprou imóvel na planta pode se preparar para um aumento maior do reajuste das parcelas. Isto porque devido ao aquecimento do mercado da construção civil, o valor da mão de obra do setor que subiu na faixa de 2,54% no último mês em função de datas base da categoria, o INCC (Índice Nacional da Construção Civil) que reajusta as parcelas de imóveis em construção chegou ao patamar de 1,77% no mês de Junho, bem acima das projeções de inflação.

Por exemplo, no último boletim Focus o mercado projetava a inflação em torno de 0,14%, podendo chegar a 0,19%, conforme medições do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

Como as parcelas são reajustadas pelo índice especifico da construção civil, neste mês a variação ficará acima da inflação oficial. Algo que não ocorria deste o período compreendido entre agosto do ano passado e março deste ano, quando esta variação foi bem menor que a inflação.

No entanto em abril a coisa começou a mudar e os preços praticados no setor construção civil subiram e a perspectiva é que continuem subindo nos próximos meses, mas talvez em um ritmo um pouco menor do que agora, mas o que de qualquer forma deverá manter os próximos reajustes das parcelas acima da inflação oficial.

Por Mauro Câmara

Fonte: G1





CONTINUE NAVEGANDO: