Confira informações referentes ao IPTU do Rio de Janeiro do ano de 2018.

O IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) é um imposto coletado no Brasil de habitantes que possuem bens imobiliários em zona urbana, seja apartamento, casa ou imóvel comercial.

No Rio de Janeiro, assim como em outras cidades brasileiras, esse imposto é um dos principais meios de recolhimento de recursos. O dinheiro obtido é usado pela prefeitura na manutenção da segurança, educação e saúde da cidade.

IPTU RJ 2018

A Prefeitura do Rio de Janeiro publicou em setembro, no Diário Oficial, algumas mudanças nas regras do IPTU para 2018. O município propôs que o valor venal mínimo para o pagamento mudasse de R$ 40 mil para R$ 55 mil, e que o IBTI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) aumentasse de 2% para 3%. A tabela de valores do Rio de Janeiro não havia sido modificada desde 1997.

No Diário Oficial do Rio encontram-se tabelas com especificações sobre tipo e idade dos imóveis que sofreram alterações no valor do imposto. Também estão disponibilizados bairros e valores genéricos de cada endereço. Essas mudanças serão validadas em 2018.

Para quem aluga imóveis, é importante lembrar que o pagamento do IPTU é responsabilidade do locador, não do inquilino, ou seja, o dono do imóvel é quem deve arcar com os custos do imposto.

Valores

O valor venal do imóvel equivale aos custos necessários para sua construção somados ao valor do terreno. O cálculo do IPTU é realizado através do valor venal do imóvel multiplicado por uma porcentagem definida pelo município. De acordo com a Prefeitura do Rio, mais de 1,1 milhão de habitantes não contribuem com o imposto por terem o valor venal no imóvel avaliado em até R$ 40 mil ou menos. Alguns imóveis localizados em áreas nobres da cidade também estão livres do imposto.

Para consultar o IPTU 2018 o cidadão deve acessar o site da prefeitura do Rio e escolher entre Planilha Residencial, Não Residencial, Territorial e Planta Genérica de Valores. É necessário ter em mãos o carnê do imposto de 2017.

Isenção

Estão livres do imposto imóveis cujo valor venal esteja abaixo de R$ 55 mil, ou construções tidas como patrimônio histórico pelo estado ou pelo município.

Segunda Via

Os cidadãos que desejarem obter a segunda via do IPTU devem escolher entre “2ª via do carnê” e “2ª via de guias extraordinárias” no link www2.rio.rj.gov.br/smf/iptu2v. Após acessar a opção desejada, basta digitar o número da inscrição do imóvel, selecionar o ano e escolher a impressão de cota única ou parcelada.

Calendário

No começo desse ano as inscrições de imóveis terminadas de 0 a 5 pagaram o valor à vista, com o desconto até o dia 10 de fevereiro. Essa também foi a data para pagar a primeira das dez cotas. Já as inscrições terminadas de 6 a 9 puderam pagar o valor à vista ou a primeira cota no dia 13 de fevereiro. As datas do IPTU RJ 2018 serão disponibilizadas no começo de 2018.

Descontos

A Prefeitura do Rio definiu descontos do IPTU 2018 para imóveis residenciais de modo progressivo, ou seja, quem tiver de pagar até R$ 800 terá desconto de 60%. Quando o valor for até R$ 1.200, o desconto será de 40%. Para aqueles com IPTU de até R$ 1.600, será descontado 20%, e quando o imposto for até 3.000, o desconto será de 10%.

No caso de imóveis comerciais cujo imposto seja até R$ 5 mil, serão descontados R$ 600. E os terrenos com IPTU de até R$ 3 mil, terão R$ 1 mil de desconto.

Os valores com desconto são disponibilizados apenas para pagamentos à vista.

Pagamento

O pagamento do IPTU 2018 pode ser realizado por meio de cota única com desconto, ou pagamento em até 10 vezes, sem desconto. Os contribuintes também podem optar por pagamento direto na conta corrente, basta entrar em contato com o banco.

Em 2018 os donos dos imóveis pagarão somente metade do aumento. Apenas no ano seguinte, em 2019 os valores totais serão computados e o valor total atualizado deverá ser pago.

Por Fabio Santos


O aumento de inadimplências nos pagamentos de impostos, prestações, entre outras formas de financiamento, junto com a má condução da economia brasileira, tem feito com que a alternativa de leiloar os imóveis para quitação de dívidas seja a melhor.

No primeiro semestre 2016 no Rio de Janeiro, convidou-se todos os cidadãos que se encontravam com inadimplências em seus impostos e financiamentos para negociar suas dívidas, e caso o contribuinte não as negociasse o seu imóvel seria leiloado, para que a dívida fosse quitada.

O grande aumento de inadimplências nos pagamentos de impostos, prestações, entre outras formas de financiamento, juntamente com a má condução da economia brasileira, tem feito com que a alternativa de leiloar os imóveis para quitação de dívidas seja a melhor.

O processo de leiloar um imóvel começa quando o devedor não consegue quitar sua dívida com o credor. O credor entra com um mantado judicial pedindo penhora do imóvel, passando a ser novamente proprietário do imóvel.

Para que a dívida o seja regularizada e o órgão financiador não fique com o prejuízo total, este leiloa o imóvel e assim consegue o valor da dívida não quitada. O leilão passou então a ser a melhor alternativa de venda para quitação de inadimplências.

Devido grande aumento de imóveis com uma boa estrutura em leilões, tem feito com que muitos cidadãos deixem de comprar imóveis novos e financiados em longas prestações para comprarem imóveis usados com preços mais acessíveis e em boa qualidade.

Mesmo que o valor do imóvel saia em um preço muito inferior ao seu valor comercial, essa nova forma de venda e de compra tem ganhado muitos adeptos, e assim ganhando força ao longo do tempo. Os leilões não tem sido uma alternativa apenas apara imóveis com inadimplências, mas para empresários que também desejam estabilizar sua empresa, a tirando do estado de risco.

Devido isso os leilões pelos leiloeiros têm aumentado, fazendo com que o mercado desses cresça e ganhe força. Um exemplo de empresa que aderiu o leilão de imóveis para girar seu caixa foi a Eletrobrás, que devido à crise econômica se encontra com quedas em seu capitão de giro. Onde esta encontrou no leilão e nos leiloeiros a melhor alternativa para vender seus imóveis.

O comprador por sua vez, deve estar atendo com os leiloeiros e as empresas de leilões, para que realize a escolha certa na hora da compra do imóvel, observando o contrato desde sua porcentagem na venda, a documentação do imóvel e se este encontrasse ocupado, ou seja, procure sempre um leiloeiro de confiança e fique atento as negociações e aos imóveis comprados.

Por Jaqueline Melo


Confira aqui quais são os bairros mais caros e baratos para se morar no Rio de Janeiro.

Os preços do aluguel de imóveis no Rio de Janeiro, como nos demais estados do país, vem sofrendo interferência direta da atual crise econômica brasileira.

No entanto, nos primeiros seis meses de 2016, o que houve foi uma queda significativa nos preços, chegando a 3,59% em média.

Segundo especialistas, essa é uma boa oportunidade para alugar imóveis no Rio de Janeiro, porém, jamais esquecendo da velha tática da pechincha, que vai bem mesmo em momentos de crise.

Abaixo segue uma lista com os bairros com aluguéis mais caros e mais baratos do Rio de Janeiro, levando em consideração a sua média anual (para imóveis com até 2 quartos).

CAROS

– Humaitá: Com um dos aluguéis mais caros do Rio de Janeiro, está localizado numa região nobre da Zona Sul da cidade. Famosa por ainda abrigar casas e prédios do período colonial brasileiro, esse ano o preço do aluguel no bairro sofreu uma queda de 4,2%, apresentando uma média de preços em torno de R$ 5.593,00.

– Ipanema: Localizado na Zona Sul do Rio de Janeiro, é considerado um bairro nobre, uma referência do surfe nacional e é onde está localizado o Posto Nove, a chamada "Praia das Celebridades". Seus aluguéis custam em média R$ 4.084,00. Uma queda de 3,9%.

– Leblon: Também um bairros com um dos aluguéis mais caros do Rio de Janeiro, é conhecido como o “bairro das elites culturais”, sendo o que costuma ter a maior variação de preços dos seus aluguéis, cuja média não ultrapassa os R$ 4.082,00. Queda esse ano de 6,8%.

– Lagoa: Às margens da lagoa Rodrigo de Freitas, está esse bairro, um dos mais saudáveis para se viver, com um dos 5 melhores IDHs da cidade do Rio de Janeiro. O aluguel de um imóvel na Lagoa custa em média R$ 3.208,00.

– Jardim Botânico: Um dos bairros mais novos da cidade do Rio de Janeiro, está localizado na Zona Sul da cidade e é considerado um bairro nobre. Graças ao verde que se espalha em seu entorno, possui uma das temperaturas mais agradáveis da cidade. Apresentando uma queda de cerca de 4,4% no preço dos seus aluguéis, oferece imóveis em média a R$ 3.204,00.

BARATOS

– Méier: O bairro do Méier está localizado na Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro e é hoje considerado um bairro residencial gastronômico e com importante comércio e centros de lazer. É um bairro de classe média, cujo metro quadrado não ultrapassa os R$ 21,00, podendo ser encontrados imóveis em média a R$ 890,00.

– Realengo: Com um dos aluguéis mais baratos do Rio de Janeiro, está localizado na Zona Oeste da cidade, caracterizando-se pelas altas temperaturas durante o dia e baixas temperaturas à noite. Possui o 89º IDH da cidade, cerca de 180.000 habitantes e aluguéis a R$ 720 reais (em média).

– Coelho Neto: Bairro de classe média da Zona Sul do Rio de Janeiro, também possui um dos aluguéis mais baratos da cidade. É considerado um bairro residencial, tranquilo, bem servido de transporte e infraestrutura, além de ser cortado pela importante Avenida Brasil. Seus aluguéis giram em torno de R$ 760,00.

– Ilha do Governador: Compreendendo cerca de 14 bairros da cidade do Rio de Janeiro, está inserida na Baía de Guanabara (Zona Norte), possuindo por isso um dos climas mais amenos do Rio. Seu metro quadrado está em torno de R$ 24,33, possui cerca de 200 mil habitantes, uma mistura de comércio popular e sofisticado, além de preço dos aluguéis em torno de R$ 710,00.

Vivaldo Pereira da Silva


Após vários anos de valorização contínua no setor imobiliário, as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro registram uma queda real nos imóveis. As cidades registraram alta dos preços de 0,40% no mês de setembro, o que está abaixo da inflação projetada para o mês, que seria de 0,43%, segundo o índice FipeZap, uma expectativa do Boletim Focus do BC (Banco Central) para o IPCA de setembro do ano corrente.

Este é um indicado positivo para quem busca seu imóvel e mostra que o momento é favorável, pois o valor médio do metro quadrado dos imóveis, no mês de setembro, nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, teve uma queda real. Essas informações estão no índice FipeZap, que leva em consideração 20 cidades do país quanto ao mercado imobiliário.

O que pode confundir a cabeça de quem acompanha esta notícia é o fato de se falar em queda real, uma vez que houve aumento no valor dos imóveis. Tal fato ocorre porque se a variação do valor é menor do que a alta geral dos preços, ou seja, a inflação, diz-se que houve uma queda real, uma perda do poder de compra para um setor específico.

A queda não anima tanto aos que ainda buscam por um imóvel, uma vez que as duas cidades ainda registram os imóveis mais caros, levando em consideração os municípios que são acompanhados pelo índice FipeZap. No mês de setembro, o valor médio do metro quadrado do imóvel foi de R$ 10.793,00 e de R$ 8.277,00 nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, respectivamente.

Ressalta-se que se consideradas as 20 cidades do índice, a alta no mês de setembro foi de 0,55%.

Apesar do resultado positivo no mês de setembro para quem busca um imóvel, o ano de 2014 apresenta um aumento do valor médio do metro quadrado dos imóveis na casa de 5,4% nas 20 cidades do índice citado. Esta alta é superior à variação do IPCA para o período.

Por André César


Já de olho no faturamento que as olimpíadas irão gerar no Brasil, investidores estrangeiros concentram-se no mercado imobiliário do Rio de Janeiro. Apesar de áreas como Copacabana e Ipanema estarem entre as mais populares, estas são também áreas caras com pouco retorno na apreciação do capital.

Por conta disto, investidores apostam em áreas centrais, porém menos valorizadas, mas que apresentam grande potencial, como o bairro de São Cristovão e Quinta da Boa Vista.

Construtoras como a Concal investem pesado em projetos para a classe média, com 2 ou 3 quartos além de todo o luxo que se espera de apartamentos novos ou na planta como piscina, playarea, brinquedoteca, solarium e até mesmo spa em alguns dos projetos.

Além destas áreas mencionadas, investidores estrangeiros estão também de olho em oportunidades comerciais em áreas com potecial de plena revitalização como a região do cais do porto e rodoviária Novo Rio.


As praias da zona sul carioca ainda são as que mais atraem turistas no verão. E o mercado imobiliário fica aquecido com a preferência pelo aluguel de imóveis para temporada.

Os bairros com maior número de ofertas de aluguel desses imóveis são Copacabana, Botafogo, Flamengo. Mobiliados, bem localizados e com a segurança do condomínio, os apartamentos também são mais fáceis de serem encontrados do que as casas.

Os preços variam por diária (em média, de R$100,00 a R$300,00) ou mês (de R$500,00 a R$2.000,00). Geralmente os proprietários cobram dessa modalidade um preço mais alto do que o tradicional aluguel de baixa temporada.

Por Karina Gonçalves


A Ética Imobiliária é uma das maiores imobiliárias na Cidade Maravilhosa. Integrante do Grupo Brasil Brokers, uma gigante do grupo imobiliário presente nas principais capitais do país – do qual fazem parte nomes como Avance, Del Porte e outros – a Ética é especializada em imóveis novos e prontos para morar ou usar.

Isso, além da oferta grande de imóveis, torna bastante atraente os serviços desta imobiliária, já que é possível ver os imóveis no site e então visitá-los sem o risco de comprar “no escuro” imóveis na planta.

A Ética conta com uma ampla rede de filiais, no Centro, Afonso Pena, Barra da Tijuca, Bangu, Bonsucesso, Botafogo, Cachambi, Campo Grande, Copacabana, Engenho de Dentro, Flamengo, Fonseca, Freguesia, Grajaú, Icaraí, Ilha do Governador, Ipanema, Jardim Botânico, Madureira, Méier, Sãens Peña, São Gonçalo, Taquara, Vila da Penha e Vila Valqueire. Endereços, telefones e e-mails de cada uma dessas filiais podem ser encontrados aqui.

Website: http://www.etica.com.br/





CONTINUE NAVEGANDO: